quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Momentos

Amei-te....Na dura e dolorosa provaçao, a dor por ti sentida foi similar ao prazer e deleite por mim vividos....Nao que essa dilacerante e maldita dor me excitassem grandemente, mas a sensaçao de te poder ver munida de bicos mamarios sublimes, eretos, apontados e convidando aos favores da minha boca.
   Essa era a desejada e por mim imaginada postura apos os chupa seios que em ti manipulei... nao sendo essa a realidade. Por alguma razao que justificaste com as condiçoes do teu corpo, as dores sentidas durante e no pos acontecimento foram inibidoras temporais do teu prazer. Julguei ate ter-te perdido nessa noite, que nao recuperasses a tempo util para a continuaçao das nossas acçoes.
  No entanto, tudo começou da melhor maneira... risos, dores sensuais a presença dos chicotes, o doce arranhar de escovas de aço e outras adaptadas com cerdas curtas e caricas aparafusadas que provocam pequenos sulcos rendilhados, riscos nas costas tao bem deliniadas, pequenos rasgoes nas nadegas que saboriei sumptuosamente levando-te a espasmos de deleite e gemidos melodiosos, audiveis mesmo atraves das musicas que preenchiam as paredes do quarto, originarias de uma playlist por ti escolhida....     Claro que acrescentei ao teu doce suplicio os vibrantes e pouco suaves choques produzidos por quatro estimuladores colados ao teu corpo, acionados por um pequeno  e genioso aparelho de electro-estimulaçao.
    Os pequenos toques rectais e vaginais tambem contribuiam para esse volupioso estado em que te encontravas. Tentaçoes varias de multiplos pequenos vibradores eram outras fontes de tensao sexual. Em suma, tudo corria em profunda e tentadora armonia ate que.... aconteceu o malfadado acaso em cima relatado.
    Foi nas massagens, muitas e ternas massagens, sensuais, que o teu corpo de novo se ergueu e a tua libido regressou intacta, ressuscitada de uma "morte" profunda, pronta de novo para o orgasmo outrora querido. Apos a longa sessao de massagens, nas costas, nuca e pescoço, a tua mente de novo ordenou, pouco a pouco, o teu corpo a gestos antes descritos. Primeiro tenues encostos lascivos, cheios de promessas, depois pequenos encostos ao meu corpo semi-nu, para no fim esses encostos virem em forma de desenfreados e estimulantes toques... toques sera um eufemismo pois eram autenticas pancadas do teu traseiro em direçao ao meu duro falo que apelava por "entrar" em ti. E se ele desejava, tu tambem o "exigias" apontei a entrada quente e com humidade muito acima do razoavel, penetrando de uma so vez toda a extensao do meu membro. Dobraste-te e gritaste como se tivesses sido acometida por uma dor agonizante mas que era tao so o prazer magico do tao aguardado momento em que me acolhias nas tuas entranhas. E sabedor dos teus desejos, apertando-te gradualmente o pescoço, penetrava-te sem arrego, sufocando o teu grito e exponenciando o teu ja enorme estado de pre orgasmo. Tremias junto a mim, tensa, rigida na postura, recebendo o meu vigor dando em troca o corpo ao meu selvagem uso. Nao contente com este comportamento, ainda me presenteias de subito com um tenue e maravilhoso gemido acompanhado entao de movimentos bruscos de um orgasmo singular em tempo e espasmos. Obvio que na presença de tal comportamento, brindei-te tambem com um colossal climax que nao sentiste devido ao teu prolongado e louco final, mas sentiste na calmia a sair de ti, junto com a humidade do teu interior.
   Foi o final encantado de uma sessao diferente, mas em que relembrei mais uma vez o amor incomensurável que te tenho. 

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Noite de inovaçoes



    Chicote de silicone, suga mamilos, suga vagina, ovulo com controlo Wi-fi (e uma pancada e tanto).Estes os novos "utencilios" a juntar a ja longa lista que possuimos.
    A tarde dava lugar a um anoitecer frio, humido. Triste para a maioria dos mortais, envolvente para nos. Brindamos ao nosso amor, a nossa relaçao, a tudo o que nos faz bem, acompanhamos com um "charrinho". fumo que nos liberta e torna tudo muito mais intenso e louco.O aquecedor emana agradavel calor, o quarto pronto para a sessao. Exaltaçao, expectativa, tesao. Corpos humidos de excitaçao abraçam-se e beijam-se.
    Mando-te deitar de barriga para cima. Pernas abertas. Vislumbro um brilho cintilante entre as mesmas. Os labios vaginais semi-abertos, convidam-me a incidir sobre eles. Nao e a altura. Ligo a hapy lady e tiro os pelos que ja se vêm nas verilhas e zonas proximas. Nao tens feito a depilaçao e isso mereceria um castigo. Por outro lado, compreendo que a tua atençao a minha doença te roube tempo e pensamento para certas coisas.
    Ficas lizinha, pele suave, sensivel. Ideal para exercer golpes medianos e para sentires mais o 1º brinquedo, de forma mais aguda.
    O sugador de vagina e posicionado no teu sexo. A bomba acionada repuxa-te os labios, elevando o teu sexo um pouco. Queixas-te e paro, alivio no botao e de seguida mais duas bombadas. Extremeces. Volto a aliviar um pouco. Novamente bombeio e fico atento as tuas reaçoes. Desta vez, o sexo esta quase encostado ao involocro, os labios incharam, o clitoris aparece, tambem ele bem maior. Na tua face vejo alguma dor ou incomodo mas tambem prazer. Começo a intercalar bombadas e alivios. Noto a excitaçao crescente. Paro. Quero ver a reaçao ao proximo.
    O ovulo e meio incerido em ti. Acionada a vibraçao, noto o impacto da mesma em ti. contorces ligeiramente o corpo e pequenos gemidos saiem da tua boca. Pareces muito excitada mas ainda longe do orgasmo. Subo o ovulo para a zona clitoriana. Erro meu. Um grito, um orgasmo. Fugaz, torces o corpo, saltas e tudo termina. Exaustao no teu rosto, felicidade, paz. Frustraçao minha. Nao queria, desejava prolongar o suplicio e fui traido pela minha confiança. Ok, perdi uma batalha, nao a guerra.
    Os suga mamilos foram "trabalhar". Queixaste-te um pouco mas ainda assim foram quase ao maximo, no esquerdo e no direito. Mandei-te virar e por de 4.
    As unhas "acariciaram" o teu corpo. Serpenteias nas minhas maos, enquanto as tuas costas, pernas e rabo ganhavam riscos avermelhados pela passagem das minhas maos. Olho-te e vejo o quanto estas "novamente" excitada. Mando-te lamber-me o que fazes de imediato. Forço-o na tua boca, engasga-te, tiro e tu vens gulosa a procura do falo. Tenho que interromper.
    Ordeno novamente que te ponhas de 4. O chicote de silicone "lambe" o teu corpo. Reparo que pode ser bastante doloroso sem deixar muita marca. E a tua reaçao a ele e efusiva. Passo a incidir com maior velocidade e força na tua pele. Cores lindas vao aparecendo, o rabo torna-se pouco a pouco rosa que contraste com o moreno suave do teu corpo. As nadegas salientes, parecem mais "convidativas", o rego abre-se lentamente e no seu fundo vislumbro o liquido brilhante escorrendo nas pernas. Alterno os chicotes. Oiço o teu prazer e quero manter-te nas "alturas" sem que entres no abismo do orgasmo. Por vezes socorro-me das varas de bambu, acariciando e batendo, descendo-te a terra. Estando nisto algum tempo, como nao sou de ferro, introduzo uma 1ª vez o sexo em ti. De um vez. Rasgo-te, contens um grito, mas queres mais. Segunda estocada, paro e tiro. Olhas-me alterada. Sei o que desejavas, mas ainda nao. Tambem eu ansiava. Novamente te mandei virar.
     Novamente o teu sexo foi sugado. O teu corpo ondulava. Fui ao maximo, na tentativa de que o incomodo te acalmasse um pouco. Fui bem sucedido. Novamente o ovulo entrou en açao, numa vibraçao menos agradavel. Novamente saltaste mas de prazer e dor, nao de climax. Sofrimento, como tu desejas sentir e eu preciso dar.
     Apesar de te ver cansada, mando-te outra vez por de quatro ao que obedeces sem hesitaçao. Acho que estavas mais curiosa que eu ate onde iria.
     O chicote novo voltou a açao. Agora so ele. Fazia helice, batia, espalhando nas tuas nadegas pequenas alfinetadas que confessaste mais tarde serem choques electricos que entorpeciam o corpo em ondas. Quando os teu movimentos do teu rabo passaram a ser sensuais e sexuais, acionando o corpo para traz e para a frente numa felaçao imaginaria, entrei com tudo mais uma vez. Estocadas fortes, arrebatadoras, senti as paredes do teu sexo em contraçoes, os gemidos altos, o teu orgasmo veio feroz, qual tempestade, molhado, exaustivo, sem folego, tirado pelas minhas maos num aperto firme no teu pescoço, ate a tua queda. Mas ainda faltava o meu que irrompeu como um tomulto, sacudindo-nos fortemente atraves do meu corpo que inadvertidamente impelia em ti, num hurro forte de prazer e desejos satizfeitos.
   

domingo, 29 de outubro de 2017

Transcendencia I



   Desatei-te e fiz-te virar, ficando deitada de costas para cima e o "rabao" ao meu dispor. Como sabes adoro o teu traseiro, redondo,cheio,em forma de coraçao. Um sonho.
   Bem, uma almofada por baixo do teu ventre, elevando o meu alvo, braços atados e pernas convenientemente abertas e atadas e pes tambem presos a cama.Ali estavas, vulneravel, receosa e entesada, tudo ao mesmo tempo. Vendei-te pois nao queria que visses o que ai vinha.
   A escova de aço foi a 1ª tortura. Umas passagens desde o rabo aos ombros, roçar os bicos de aço para te "aquecer" a pele. E tu gemias, tentando movimentar o corpo nas zonas mais sensiveis. Claro que presa pouco ou nada conseguias. Depois de alguns "riscos" na pele, passei a espetar de lado no teu corpo,, nas badanas, na cintura,nas omoplatas, provocando pequenos sulcos de sangue,sem que escorresse. Os teus gemidos eram agora acompanhados do teu liquido interno, lubrificavas por demais.
   Para aumentar o teu desespero sexual, resolvi passar alcool nos pontos ensanguentados.A loucura apoderou-se de ti. Gritavas, em especial quando com a mao ainda humida de alcool passou no teu clitoris. Convulsoes, simulaçao sexual, de tudo um pouco se fez a tua reaçao. Eu estava encantado, alucinado mesmo por sentir em ti tanto prazer/desejo/desespero.
   Parti entao para as velas. Ai, a medida que as gotas iam pingando, devido ao frio que o alcool provocou e a sensibilidade provocada pela escova na pele, as contraçoes eram de tal forma violentas que pensei as cordas nao aguentarem. Depois de varios pingos em cima do teu corpo, achei por bem deitar quantidades generosas.Primeiro nas omoplatas,que escorriam para o pescoço e peitos e depois no rego enchendo-te de calor o anus e a vagina.
  Para enrijar a vela e dar-te outro contraste, fui buscar gelo que passei por todo o corpo. Dos teus labios ja so saiam ais quase inaudiveis, vencida por tantas "brincadeiras", derrotada por tantos prazeres, alguns morbidos, como tanto aprecias. Duas ou tres pedras de gelo foram parar dentro dos teus orificios...Um toque, um requinte de malvadez....
   A cera estava dura no teu corpo. Altura ideal para a sacar. Pensei bem e resolvi tirar grande parte a chicotada. E certo que a cera se espalha por todo o lado, mas os teus gritos tambem e esses sao impagaveis. Os braços ja estavam apoiados na cama, sem força para te ergueres, rendida ao sofrimento porque passaras. Agora senti estares no teu limite, moral e fisico. Hora do complemento.
   Aproximei a mao do teu clitoris e devagar percorri toda essa zona, encharcada,enchendo-te de palavras proprias da ocasiao, palavras que para mim fazem sentido no pico do desejo sexual. Enfiei dois dedos dentro de ti ja tu tremias, ao mesmo tempo que o clitoris era estimulado. Ate que no meio dos tremores, um grito grutesco, um safanao violento um esguicho do teu interior e eis que o teu orgasmo chega. Qq coisa inimaginavel. O tempo em que te contive deu resultado. Quando explodiste foi avassalador. Retesaste-te, hurraste, desesperada, feliz, chorosa...
   Nao acabaste a tua explosao e ja eu imponente estava dentro de ti,fazendo com que os teus gritos aumentassem. Ai nao foi uma simples copula, foi uma violaçao, um estupro, algo animal tal o desejo e o impeto com que entrava em ti. Resultou em dois orgasmos quase simultaneos, juntos com palmadas, palavras agrestes, prova da minha tesao.
   Adormecemos quase de imediato, apos as cordas retiradas, agarrados, sorridentes, felizes.

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Transcendencia




   - Estavas nua. Mandei-te deitar,pernas e braços abertos, esperando a minha chegada.
10 minutos se passaram ate a minha entrada no quarto com cordas e outros objectos de restriçao. Embora sabendo nao ser necessario amarrar-te para que te sintas presa, naquele dia apeteceu-me essa situaçao.
     - Atei-te os pulsos a cama, braços estendidos na direcçao da tua cabeça, e as pernas presas abertas e puxadas tambem na direcçao dos braços, com uma almofada a suportarem os rins.Tinha ali uma belissima visao da tua vagina e anus abertos , entregues as minhas vontades, assim como os seios disponiveis para qq brincadeira. Toda a tua frente estava ao meu dispor. Vendei-te e comecei com suaves passagens com o chicote por todo o teu corpo. Sorrias, e ao mesmo tempo provocavas-me dizendo nao apreciar "festinhas".Ri-me para mim mesmo. Conheço-te o suficiente para saber dos teus pesados gostos mas tambem sei que a pele deve aquecer um pouco antes das batidas mais fortes.Apos algumas passagens mais ou menos suaves com o chicote,fui em busca das canas de bambu. Estas sei que tens algum pavor. Agora nao te irias queixar das festinhas, mas das dores que irias sentir.
   -O 1º alvo foram as mamas, duas vezes em cada uma com força moderada. As primeiras lagrimas cairam dos teus olhos, junto com gemidos de dor. Passei as pernas,mais precisamente as coxas, onde existe maior quantidade de carne. Novamente 2 em cada uma.Aqui gritaste, as pancadas foram mais fortes.A venda mais molhada, assim como o teu sexo.Olhando maravilhado para as tuas marcas,ignorei o teu sofrimento, agarrando-me ao prazer que demonstravas através dos fluidos vaginais, decidi dar-te 10 vezes com a cana na tua vulva, perto do clitoris. Gritaste, enquanto tentavas desesperada esticar as pernas para te proteger. Beijei-te entretanto e perguntei ao ouvido se estava tudo bem. Riste, apesar das lagrimas. Resolvi entao passar a outra fase, visto estares bem. Embora as velas tenham estado acesas este tempo todo, acho que nao esperavas uma despejada em cima da tua barriga.O teu corpo dobrou como pudeste e soltaste um gemido enorme,de desespero, susto e tesao, avaliando os teus movimentos.mais cera foi derramada nos teus peitos e vagina. Nesta ultima parte resvalava pelos grandes e pequenos labios ate ao anus, vendo eu as contraçoes que o calor da mesma proporcionavam. Foi um momento cheio de prazeres para os dois.
    -Quando parei a cera e depois da limpeza das zonas, prendi-te 4 eléctrodos a pele , dois junto ao monte de venus e os outros na barriga das pernas, junto aos labios vaginais e activei-o, mais ou menos a meio.No principio nao reagiste muito... Deixei passar uns minutos e iniciei uma esfrega no clitoris.Agora ja o teu corpo se mexia,excitado. Prendi duas molas,uma em cada mamilo e isso refreou os teus impetos. Continuei na estimulaçao clitoriana, a qual, mais uma vez te fez voltar a excitaçao. Era divertido jogar como teu corpo e coma tua vontade. Quando as tuas pernas iniciaram o habitual tremer de aproximaçao do climax, aumentei os impulsos da maquina de eléctrodos o que te acalmou a excitaçao e te deu uma dose consideravel de expasmos dolorosos.
   . Ai veio a vara com uma ponta de cabedal, a qual te batia no clitoris e em toda a zona circundante. Nessa altura os teu olhos ja se escondiam por baixo das pálpebras, os gritos e gemidos ja eram uma mistura de dor e prazer extremo, ja nao estavas na "terra".
    -Alucinada e excitada ao extremo, parei com tudo, menos com os choques, arranquei dos bicos as molas com a chibata, coisa que te deve ter doido muito, hehehe, indo chupa-los meigamente....
    -O resultado estava a vista. Pediste para te fazer vir, nao aguentavas a espera, precisavas e que eu era mau por te torturar tanto no teu prazer.Na verdade, nao liguei nadinha.Tinha planos para a noite e nao ia desistir deles.Sabia que mais tarde irias sentir-te nas nuvens.
  Aproveitando o facto de estares completamente aberta, desci com a boca em direcçao aos dois orificios que por questao de posiçao me oferecias.accionei novamente os choques moderados e iniciei a lamber o clitoris e toda essa zona ate atingir o anus. Gemias coma minha lingua na vagina e fizeste o mesmo quando a direcionei para o outro orificio, tendo ao mesmo tempo a mao a afagar a vagina. Depois substitui a lingua por um dedo dentro de ti, pouco lubrificado e pouco penetrante. Queria que sentisses a diferença.Diferença essa que sentiste quando te meti dois,ja lubrificados e aos quais relaxaste facilitando a entrada. Os gemidos continuavam, calmos mas ao mesmo tempo com uma especie de ansia. Os teus fluidos vaginais continuavam, brilhavas, ate mesmo quando subi um pouco a intensidade dos choques. O teu corpo ja me parecia quedar-se por um cansaço de muitas emoçoes, mas nao era tudo o que tinha imaginado.Ainda faltava a parte traseira.

     Continua.....

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Escova de aço




    - A noite prometia. Embora cansados depois de mais um dia trabalhoso,a musica por ti escolhida para ouvir, era como que um balsamo para as dores,um relembrar coisas bonitas do teu e meu passado, fervilhava no ar um clima especial. Dez da noite e dirigindo-te a casa de banho com um body muito sensual, pedes-me que ligue a televisao no quarto.Claro que "obedeci" prontamente e acrescentei a ligaçao do computador a mesma para escolheres uma play list que, por um lado espevitaria mais o desejo e quebraria certos ruidos tao usuais da tua entrega.
   - Chegas maravilhosa, cheirosa e pronta. Nao perdemos tempo e "engalfinhamo-nos" um no outro em abraços e beijos lascivos. Levantei-me da cama e dei-te um "carinho" nas nadegas com duas canas de bambu...Quase gritaste. Nao podia ser. Pediste entao a escova. Escolhi primeiramente uma a que juntei ha uns tempos umas tampas de carica. Deixa marcas bonitas,simetricas e arranha bastante se arrastada na tua pele. Brinquei durante uns tempos no teu corpo.Murmuravas lamurias sensuais, queixas veladas,gemidos varios. Mas a dado momento, os gritos de dor e prazer ameaçaram aparecer. Era tempo de alterar. Pediste-me entao a escova de aço.E silenciosa, cria-te emoçoes fortes, leva-te ao transe mais rapido. Era necessario nao estender em demasia a coisa.Tinhamos gente em casa e os ruidos que se fariam ouvir com o prolongar da sessao, possivelmente alertariam o outro habitante. Nao podia ser. Outro dia, proximamente, esses momentos virao.
    -Apalpei-te e verifiquei que estavas molhadinha. Optimo.
Apanhei a tal escova de aço e comecei a tortura. Deitando a escova sobre o teu corpo, com uma certa inclinaçao, sentes espetar na tua pele milhares de pequenas agulhas. Esse estimulo funciona bem, o teu corpo move-se, erotismo em cada mexida,escova em varios pontos das costas e nadegas,forçar a entrada em varios pontos,entras em desespero. O pre-gozo estava a manifestar-se.
O som da tua boca era inaudivel, qual peixe fora de agua. Apos alguns minutos dizes me nao aguentar mais. A cabeça esta quase a  explodir. Nao podes expulsar em forma de gritos a tensao que se acumula dentro de ti.
   -Respeito o pedido.
Voltas-te de lado, dando-me pequenos encontroes com o traseiro, enquanto gemes. Estranho os gemidos naquela altura. Mas quando levo a mao ao teu sexo, compreendi. Nao estavas molhada.Estavas completamente encharcada. A tesao tinha acompanhado a tensao. Ai cometi um erro.Porque com a casa ocupada nao podia fazer-te gritar. Apontei a vagina para lubrificar, pensando seguir em direçao a outro orificio. So que apanhando-me ali, onde precisavas, gulosa ja nao deixas-te sair, ou pelo menos fizeste de tudo para que nao tirasse.
   - Tal entusiasmo contagiou-me e, mesmo antes do teu orgasmo tive um,e outro quando o teu veio. Foi estranho, quase dois seguidos. Mas compreendo hoje o que aconteceu.Com a vibraçao que tinhas, os movimentos de sucçao e vibraçao na tua vagina, juntando aos momentos anteriores, nao so criaram tensao em ti mas tambem em mim. E quando a cabeça nao tem juizo, o penis e que paga. E pagou bem, enchendo-te duas vezes quase seguidas de esperma. O teu orgasmo foi enorme, intenso e deu-me tambem a mim sensaçoes novas e muito, muito prazerosas

domingo, 8 de outubro de 2017

(Tua)vagina VERSUS (Minha)boca



   E das lutas mais extenuantes e satisfatórias que conhecemos. Frequentemente a minha boca sofre a influencia temporal do acto. Nao, nao estou a queixar-me, sao "horas" de um prazer diferente, onde todos os teus movimentos sao por mim observados,podendo deste modo controlar o teu orgasmo ate quase ao limite, onde uma dentada mais forte te quebra, retornando tu a um ponto muito mais calmo, dando-me a possibilidade de te observar mais uma vez e outra,e outra... Nao sao so as dentadas a minha "arma" para te deter. Por vezes nao te deixando chegar tao perto da explosao,uma variaçao dos carinhos, passando da velocidade da lingua a calmia do beijo, a ternura dos chupoes leves nos labios, mantem o teu sexo "quente", em banho maria, torturando-te a mente em forma de gemidos e lubrificaçao constantes, alimentando a minha sede de desejos e o meu ego de amante. Confesso que me excitam grandemente as tuas tentativas vãs de me levares a cabeça mais perto do teu sexo, tentando com movimentos do corpo chegar mais depressa ao objectivo. Nesses momentos em que o teu corpo e a tua mente cedem, as pernas tremem, o teu sexo inchado molha ainda mais, imagino o desgaste a que te sujeitas, a frustraçao que sentes nessa luta desigual. Em especial porque quando resignada e sem força desistes dessa procura, sou eu que volto a incidir sobre ti com mais querer, com mais intensidade, roubando-te um prazer que nao me queres dar na altura, o prazer de estares nas "minhas maos". Que alegria sinto, apos alguma insistencia, ao quebrar a tua "vontade" de me castigar por nao te ter dado o que ambicionavas antes.
De novo as pernas estremecem, os sons saiem  difusos e imperceptíveis, os movimentos da pelvis na procura da minha lingua e.... novamente os teus intentos saiem frustrados, uma palmada bem dada no teu sexo fazem-te encolher pela dor simultanea com o prazer que te infligi. Estas demoniaca, refilas,pedes, dizes nao acreditar em mim naquele momento, que te vou estar eternamente a impedir o momento final...Eu rio, brinco, digo-te palavras que te elevam como amante, acalmando um pouco a tua ira, mergulhando novamente sobre ti quando te vejo minimamente receptiva. E um jogo extenuante para os dois mas extremamente gratificante. quando as palavras nao chegam ou levam tempo a fazer efeito, nada como erguer-me, procurar a tua boca com a minha e de seguida encaminhar-te de encontro ao meu sexo. Ai sim, entretida como meu falo, sinto o crescer do teu entusiasmo. Mas e perigoso para mim, nao quero ainda dar o que a tua boca procura. Assim empurro-te e deitando-te para tras,forço as pernas a abrirem e de novo o teu sexo e alvo da minha atençao. Fazes carinho nos meus cabelos, nervosa, excitada, mas ja nao me puxas pela cabeça,aquele momento e teu, a excitaçao leva-te a patamares e locais longe de onde estas, os teus olhos estao cerrados e quando observo a tua expressao assim, ai sim, ai acelero, ai por vezes os dedos sao inseridos em ti em simultaneo com a lingua no clitoris ou os dedos da outra mao, procurando a tua ejaculaçao. Sim....tens a capacidade por nos descoberta de, sob determinadas "incidencias", expulsares o teu prazer liquido em jatos, molhando a minha cara e dedos. E um momento sublime, quando tal acontece, cais quase inanimada pelo esforço. Claro que ainda nao estas "morta" e aproveitando as pernas abertas e o corpo inerte, "sirvo-me" de ti em penetraçoes fortes de desejo, violentas de paixao, ate o meu acalmar..que muitas vezes e acompanhado por um "impossivel" outro teu.

    E e esta relaçao maravilhosa que os dois orgaos do titulo têm.

sábado, 30 de setembro de 2017

Horas Supremas


   - A verdade e a humilhaçao que exerço sexualmente sempre me excitar. Seja em que acto for, qq sofrimento ou mau estar da minha cadela me excita enormemente. Em especial quando vejo a vagina brilhante de prazer. E envolvido nessa onda, avanço sempre um pouco.
   -Um "botao de rosa" antes do sexo anal e tanto mais importante quanto o prazer que sinto nela. O prazer em forma de gemido, o dito orificio piscante, como quem convida a avançar. Depois força-la num primeiro momento a beijar a minha lingua, (acto pouco higienico, segundo ela) e no momento seguinte ser sorvido pela sua boca humida de prazer, "debitando" em simultaneo gemidos significativos.
   - Num intervalo pensado, brinco com os seus seios e clitoris, na busca de manter e quem sabe aumentar o interesse sexual por ela ja demonstrado. Ordeno que se dedique ao meu sexo, inchado pelas emoçoes anteriores e quase a extravasar, limitando a velocidade e atençoes que ela tinha em mente. Chupar sim, brincar com a lingua maravilhosa que possui, tambem, sentir a boca sem placa dentaria e sensaçao do outro mundo, mas nem pensar deixa-la manipular com ardor o meu desesperado membro. Era sinonimo de ejaculaçao, coisa que ainda nao quero. Tenho outras ideias, entre elas preencher o orificio antes lambido e beijado com o meu latejante e impaciente "falo". Alem de que umas boas palmadas no antes e durante a sodomização avermelham tao generosa parte da sua anatomia, tornando o acto "ainda" mais inigualável. Ate porque durante a penetração, o choro e os queixumes que emana sao muito mais excitantes quanto mais intensos forem. Como atras escrevi, o sofrimento da minha cadela, devera sempre ser acompanhado pelo seu lubrificante natural. E o incentivo que preciso para a fazer sofrer mais um pouco e a sua forma de pedir esse mesmo tratamento. O masoquismo dela e acompanhado fielmente pelo meu sadismo. Brutalmente erotico e estar em simultaneo a penetrar com ganas num vai-vem veloz,ver as nadegas vermelhas com marcas das minhas maos, sondar a sua vagina com a mao, molhando-a com os seus liquidos. Nessa altura, motivado mais uma vez para um orgasmo eminente, tiro de tras e obrigo-a a "engolir" o sexo. Nao e facil faze-lo, nao pelas dimensoes mas porque, neste intervalo sem orificios preenchidos,alguma racionalidade volta ao seu ser e com ela alguns tabus. Esses acabam quando forço a entrada na sua boca e repito os movimentos que ha instantes a sodomizavam. "O habito faz o monge" e  quero que o seu corpo e tudo o que e seu seja facilmente aceite a desejado por ela propria. Cadela não tem nojo e deve aceitar e desejar o que o Dono lhe proporciona, seja o urinar-lhe no corpo,forma de marcaçao, na boca, submissao, ter prazer com o prazer do ser mais importante da sua vida. Claro que estou sempre pronto a discutir gostos e medos, mas nao quando estou em sessao. Ai, so se for demasiado dificil e sentir que o desejo dela se esfuma.Por isso tambem os meus devaneios têm sido "apresentados" espaçados no tempo. Quero ter tudo, mas que tudo seja tambem desejado.
   
-Voltando a historia, mais uma vez o seu entusiasmo crescente me levou quase a transbordar a "lava" que ha muito tempo se acumulava. Ainda nao o queria. Todos sabemos que e comum aos dois sexos o orgasmo ser tanto mais prazeroso, quanto mais tempo se levar a chegar, mantendo constante esse desejo. Com aspereza tirei de sua boca o inchado e pulsante membro, deitando-a de costas e mergulhando sobre o seu corpo procurei atingir com a boca a sua fonte. Depois de umas boas palmadas para forçar as pernas a abrir (parece-me ter ficado contrariada com a subita interrupçao no felacio, hehehe), dediquei-me a essa zona tao humida e quente. Acho que as palmadas aqueceram ainda mais o que estava abrasador. O orgasmo foi atingido apos alguns minutos de laboriosas mas suculentas lambidelas e puxões nos seus labios carnudos, tendo durante todo esse tempo escutado gemidos e lamurias, cantados pela sua boca, em razao da loucura do seu cerebro. Conta-me ela que, em muitas ocasioes sente-se flutuar erraticamente, num inferno de  sensaçoes que a confundem e a fazem perder a noçao de tudo. Esse poderoso orgasmo acalmou-te, tornou-te mole e sonolenta. Agora teria o meu.
    -Pensei assim e entrei na minha cadela, parecendo-me satisfeita e desejosa de sentir o "premio" do meu corpo, adivinhando uma ejaculaçao forte de liquido quente.
     -So que por vezes sou surpreendido por tao admiravel ser. Quando estou nos meus movimentos de vai vem, divertindo-me sentindo as paredes vaginais humidas, quentes e apertadas, oiço uma voz: "Fode com força"
Tinha despertado da sua letargia pós orgasmica e novamente desejosa de "atençao". Como sou um cavalheiro e nao querendo deixar desejos a meio, iniciei uma cavalgada impetuosa, percorrendo todo o teu interior em avanços e recuos vertiginosos, sentindo as suas unhas nas minhas costas "dizendo-me" que outro orgasmo estava a acontecer, violento e intenso. Nao aguentei, como prémio dei-lhe um estalo na cara doloroso e sentido, no momento em que a minha explosão aconteceu. Nada como bater-lhe antecedendo o meu orgasmo.